Como avaliar os ativos da minha empresa para um leilão?

Os ativos são bens e direitos que uma empresa tem e que podem trazer ganhos financeiros se souberem ser aproveitados, como na venda de um leilão. Afinal, toda empresa precisará, em algum momento, realizar a avaliação de um ativo, algo fundamental para a sua vida financeira.

Caso você ainda não saiba como avaliar esses ativos, leia este artigo e saiba como proceder e o tipo de avaliação que mais caberá à sua necessidade. Boa leitura!

O que é a avaliação de ativos?

A avaliação de um ativo é uma forma de prestar contas dentro de uma empresa e de assegurar o valor e a proteção dos ativos dessa organização. 

Em uma situação de crise, por exemplo, os valores de um ativo tendem a mudar de acordo com o cenário econômico, e o uso deles também sofre modificações; dependendo do bem e do contexto.

Como avaliar os ativos da sua empresa?

Para se ter conhecimento do valor do seu ativo e as possibilidades de precificação dele, é preciso realizar uma avaliação referencial, que é uma prática segura e eficiente.

A avaliação referencial é uma solução adotada pelas empresas para ter maior controle sobre o valor dos seus bens que estão improdutivos. Consequentemente, isso ajuda as companhias a planejar a desmobilização de ativos e a recuperar capital. 

Diversos fatores são levados em conta durante a avaliação referencial, como o contexto econômico, as correções monetárias das condições desses ativos, o valor de reposição e o tamanho específico do mercado para esse ativo.

De acordo com a lei 11.638/07, o ativo imobilizado precisa ser avaliado de acordo com o valor de mercado. Porém, dependendo do caso, podem existir grandes riscos atribuídos a esse ativo, o que dificulta a sua precificação de acordo com o valor de mercado. 

Como a avaliação referencial de um ativo funciona?

Geralmente, a avaliação referencial é realizada pelo departamento de gestão patrimonial de uma empresa ou por uma consultoria terceirizada, que ficam responsáveis por avaliar os bens e os riscos. 

Os profissionais estudam todos os campos que envolvem a vida útil desse bem, como: defasagem e depreciação, condições gerais, assistência técnica, logística, troca de peças e procedimentos de montagem e desmontagem.

Com isso, eles conseguem entender o estado do ativo para mensurar o seu valor. Através dessas informações, consegue-se iniciar o seu plano de desmobilização.

Quais os tipos de avaliação de ativos que existem?

Existem, pelo menos, três formas de avaliar os ativos de uma empresa, que podem ser realizadas pelo setor de contabilidade da empresa ou por uma gestora terceirizada. 

A primeira delas é a Avaliação de Ativos Imediata, ou seja, que é realizada quando uma empresa precisa avaliar o valor dos seus bens o quanto antes. Esse tipo de avaliação é indicada para as companhias que estão em processo de reestruturação, precisando mensurar o valor dos seus bens para ter um panorama do cenário em que ela está inserida. 

Caso a empresa não esteja em uma situação de urgência, ela pode realizar essa avaliação anualmente, através da Avaliação de Ativos Anual. Assim, é possível ter a dimensão do valor dos seus bens de acordo com o contexto econômico e até mesmo político ou social daquele ano. Isso evita que os valores se desatualizem, mantendo a empresa alinhada ao cenário atual. 

Por fim, na hipótese de o mercado não apresentar oscilações e/ou caso o bem não sofra alterações de valor, a empresa pode avaliar os seus ativos em um intervalo maior de tempo, como de 2 em 2 anos, o que chamamos de Avaliação de Ativos de Longo Prazo.  

A avaliação de ativos deve ser feita por toda empresa que possui bens, como veículos, imóveis, equipamentos, máquinas, entre outros. Lembrando que, para cada tipo de ativo, existe um critério de avaliação.

Quando você realiza a avaliação dos seus ativos, essa é uma ótima forma de verificar se sua empresa está mantendo um ou mais bens parados e inutilizados. Caso essa seja a sua situação, então é hora de fazer algo a respeito, antes que eles percam valor e a companhia deixe de ter resultados financeiros com esses ativos.

Nesse sentido, uma ideia é desmobilizar esses ativos, ou seja, vendê-los para uma pessoa física ou jurídica que encontre utilidades neles. Dessa forma, você vai desocupar espaço da sua empresa e, ainda, receber um retorno financeiro.

Uma forma segura e rápida de vender os ativos inutilizados é com o auxílio de um escritório de leilões. Uma vez comprovada que esses bens pertencem à empresa, você pode vendê-los por meio de um leilão, que será organizado e divulgado pelo escritório.

Conclusão

Com certeza, o leilão é a sua melhor escolha para vender ativos da sua empresa que possam estar imobilizados e não apresentem utilidade aos negócios. Para que você tenha uma noção de quanto o ativo vale, não deixe de realizar a avaliação dele, como explicamos ao longo do artigo.

Atualmente, os leilões podem acontecer até mesmo de forma on-line, sendo muito mais prático para o vendedor, que pode encontrar um público interessado maior, até mesmo ao redor do mundo.

E a boa notícia é que, se o seu bem for arrematado, a sua empresa receberá esse dinheiro em até 5 dias, ajudando-a a alavancar ainda mais os seus resultados com o rápido retorno financeiro.
Não deixe de pesquisar bem e entrar em contato com um escritório de leilões confiável e que tenha uma excelente reputação no mercado.