Como funciona o ciclo de venda em um leilão?

A melhor escolha para uma empresa que busca retorno financeiro rápido e seguro é vender seus ativos inservíveis através do leilão. Após uma boa gestão de ativos e uma avaliação, você saberá quanto o bem vale e poderá vendê-lo.

Para saber como funciona o ciclo de venda de um leilão, continue lendo este artigo e tire todas as suas dúvidas.

Boa leitura!

Como funciona o ciclo de venda em um leilão?

Muitas pessoas se perguntam quanto tempo leva todo o processo, desde a autorização do leilão até o pagamento do comitente.

O primeiro passo é o loteamento dos bens que vão ser vendidos. Ao mesmo tempo em que ocorre o processo de loteamento, a divulgação já começa a ser feita e, em seguida, ocorre a liberação de visitação dos interessados em adquirir o bem. Simultaneamente, ocorre também a divulgação on-line, caso você tenha optado por participar de um leilão virtual ou simultâneo.

É importante ressaltar que, assim como o leilão presencial, a modalidade on-line tem dia e hora para acontecer, porém, com essa facilidade de encontrar compradores do mundo todo, seu bem pode ser vendido bem mais rápido. E, caso não ocorra a venda em um primeiro momento, ela poderá ser remarcada.

Como os leilões possuem datas estabelecidas, o vendedor sabe quando o bem pode ser arrematado ou não. Se ele não obtiver sucesso no primeiro leilão, será marcada uma nova data, então não se preocupe.

No final do ciclo de vendas, o pagamento do leilão para o comitente se dá em 5 dias após o arremate. Assim, é possível ter uma garantia de liquidez alta e rápida.

Quem é o responsável pela venda?

É papel do leiloeiro receber os valores, providenciar a emissão da nota de venda para emitir o documento fiscal e entregar o produto, seja em um depósito ou onde ele estiver armazenado, para o arrematante.

Dependendo do escritório de leilões que for escolhido, ele pode contar com locais para a armazenagem dos seus ativos, como galpões cobertos, semi cobertos e até mesmo pátios com espaço para grandes bens. 

A Milan Leilões, por exemplo, conta com um pátio de 80 mil metros quadrados e um depósito fechado de 15 mil metros quadrados com toda a infraestrutura necessária e especializada, voltada para o acondicionamento, exibição e comercialização dos seus bens.

O que posso vender em um leilão?

Praticamente qualquer bem, desde que ele esteja em bom estado. Para isso, você pode realizar uma avaliação. Por exemplo, imóveis, veículos, maquinários, equipamentos, peças, eletrodomésticos, mobiliários, matérias-primas e até bens sucateados são alguns dos exemplos de bens que podem ser leiloados e que dão retorno para a parte vendedora.

Não há um bem que seja mais vantajoso do que o outro. Porém, independentemente do produto, o interessado em vendê-lo precisa comprovar que esse ativo pertence a ele por meio de um documento oficial e que contenha o seu nome como proprietário (como uma nota fiscal, por exemplo).

Se estiver tudo certo, o escritório de leilões  irá prosseguir com o procedimento de venda e definirá uma data e um horário para o leilão ocorrer. 

Conclusão

Existem diferentes formas de colocar os seus bens à venda e uma delas é por meio de um leilão, que costuma gerar ótimos resultados financeiros.

Essa é uma opção fácil, segura e rápida para as empresas vendedoras, que não precisam se preocupar em encontrar a pessoa ou a organização interessada em seus ativos desmobilizados, já que os escritórios de leilão se tornam responsáveis por todo o processo.

Por isso, conte com a experiência e a autoridade da Milan Leilões no mercado leiloeiro para vender os ativos da sua empresa e maximizar seus resultados. Entre em contato conosco! Estamos dispostos a ajudá-lo em todo o processo e em tirar todas as suas dúvidas.