O que é um leilão? Dicas e vantagens para você sair ganhando

O leilão é uma prática antiga e amplamente segura para comprar e vender bens de qualquer natureza. Porém, ainda existem muitas dúvidas acerca do seu funcionamento.

Neste texto, procuramos esclarecer as principais questões relacionadas ao leilão, como: quem pode participar; quais são os tipos de leilão; como funciona o pagamento; e quando participar do evento. Boa leitura!

O que é um leilão? 

É uma modalidade de compra e de venda de bens móveis e imóveis, na qual a casa estipula um lance inicial e os interessados oferecem lances mais altos para a sua aquisição. Por fim, o maior lance vence a disputa. 

Hoje em dia, existem leilões presenciais, on-line e simultâneos (ou seja, que ocorrem presencialmente e contam com a participação virtual de interessados). Todos eles são intermediados por um leiloeiro, isto é, por um profissional qualificado, que é o responsável por determinar o lance vencedor.  

Antes de participar de um leilão, é necessário ler um documento designado como edital do leilão. Nele, estão concentradas todas as suas condições, informações e exigências, cuja leitura é essencial tanto para a parte vendedora, quanto para quem compra. 

Quando nos referimos aos termos vendedor e comprador, é necessário determinar que, no mercado leiloeiro, eles são chamados, respectivamente, de comitente e arrematador

Esses são só alguns dos vários termos específicos que precisam ser de conhecimento de quem deseja participar de um leilão, e você pode conferir todos eles neste texto.

Quem pode participar?

Qualquer pessoa física ou jurídica pode participar dos leilões, desde que tenham mais de 18 anos e sejam financeiramente capazes de arrematar os bens. 

Quem deseja vender um bem em um leilão precisa ser maior de idade e apresentar a documentação atualizada do bem que será leiloado, a fim de assegurar a segurança do comprador. 

Quais são os tipos de leilão?

Existem dois tipos de leilão: o judicial e o extrajudicial.

O judicial executa a venda de bens que estão associados a algum processo judicial. 

Já o leilão extrajudicial não envolve bens que estejam associados a pendências jurídicas e, por isso, costuma ser realizado por empresas e instituições que pretendem desmobilizar os seus ativos e recuperar capital. 

Como funciona o pagamento?

O leiloeiro precisa entrar em contato com o comprador em até 24 horas após o arremate e enviar o boleto (em caso de leilão extrajudicial) ou a guia judicial (em caso de leilão judicial).

As formas de pagamento são: o pagamento deve ser feito à vista (salvo exceções) e no prazo estipulado. Depois de efetuado, o arrematante precisa enviar o comprovante para o escritório de leilões. 

Na hipótese de o arrematante não realizar o pagamento, ele ainda assim precisará arcar com a comissão do leiloeiro – estipulada em 5% do valor arrematado – e com o reembolso das despesas ou a multa para o executor do leilão. 

Caso o combinado não for efetuado, o leiloeiro também pode encaminhar os dados do comprador para um serviço de proteção ao crédito, o que o impedirá de participar de outros leilões.

Quando participar de um leilão?

Muitas empresas optam por vender bens que não são mais utilizados nas suas operações, como máquinas, equipamentos e peças. Após realizar uma avaliação referencial, isto é, uma avaliação do valor do bem, as companhias realizam a desmobilização de ativos que, por muitas vezes, tem como consequência o leilão desses bens inservíveis. 

Por outro lado, se você optar por comprar um bem por meio de um leilão e preencher os requisitos mínimos, basta entrar em contato com um escritório de leilões e/ou se inscrever em sua plataforma on-line. 

Conclusão

Agora que você já sabe o que é um leilão e como ele funciona, saiba que vender ou comprar nessa modalidade é uma prática segura, rápida e prática tanto para o comitente, quanto para o arrematante. 

Porém, se você participar de um leilão on-line, lembre-se de checar a procedência da empresa leiloeira, porque existem sites falsos que têm o objetivo de fraudar dados e aplicar golpes financeiros. 

Por isso, esteja sempre atento e opte por fechar negócios com escritórios de leilão que sejam reconhecidos, conceituados e que aliem tradição à expertise. Os melhores escritórios serão responsáveis por oferecer soluções diferenciadas, divulgar os lotes de forma adequada e transparente e oferecer o máximo de segurança para todos os envolvidos no processo.